terça-feira, 2 de agosto de 2016

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Dry Stou


Dry Stout

 Aroma: Aroma de cevada torrada e malte torrado semelhante a café são pronunciados; pode haver leve aroma de chocolate, cacau e/ou notas secundarias que lembram cereais. Ésteres com presença de média-baixa a nenhuma. Nenhuma presença de diacetil. Aroma de lúpulo de baixo a nenhum. 
Aparência: De preto a marrom escuro com realce vermelho escuro contra a luz. Pode ser opaca (se não, deve ser translúcida). Com espuma densa, cremosa, de longa duração e coloração de bronze a marrom são características do estilo. 
Sabor: Sabor de grãos torrados moderado, opcionalmente com acidez de leve a moderada e amargor de lúpulo de médio a alto. Final seco e que lembra café dos grãos torrados. Pode apresentar sabor agridoce ou de chocolate sem açúcar que persiste até o final. Fatores para balanceamento podem incluir alguma cremosidade, sabor frutado de médio-baixo a nenhum e sabor de lúpulo de médio a nenhum. Não deve apresentar diacetil. 
Mouthfeel (sensação na boca): Apresenta corpo de médio-baixo a médio-alto com característica cremosa. Carbonatação de baixa a moderada. Apesar do alto amargor de lúpulo e proporção significativa de grãos torrados, esta cerveja é marcantemente equilibrada. A percepção de corpo pode ser afetada pela densidade geral, sendo que cervejas menos densas (com menor extrato) possuem corpo mais leve. Pode apresentar leve adstringência dos grãos torrados, mas não deve ser desagradável. 
Impressão Geral: Uma Ale muito escura, torrada, amarga e cremosa. 
História: O estilo se desenvolveu a partir das tentativas de tirar proveito do sucesso das Porters de Londres, mas originalmente resultaram numa cerveja mais cheia, cremosa com corpo mais “stout” (robusto). Quando uma cervejaria oferecia uma Porter e uma Stout, a cerveja mais forte era sempre a Stout (originalmente era chamada de “Stout Porter”). Versões mais modernas são fabricadas com OG menor e não refletem mais a maior força em relação a uma Porter. 
Comentários: Esta versão é o anteprojeto daquilo que também é conhecido como Irish Stout ou Irish Dry Stout. Versões engarrafadas são tipicamente feitas com OG significativamente maiores e podem ser designadasForeign Extra Stouts (desde que suficientemente fortes). Enquanto a maioria das versões comerciais se baseia principalmente na cevada torrada como o grão escuro, outras utilizam malte chocolate, Black malt, ou combinações dos três. O nível de amargor é um pouco variável, assim como a percepção dos grãos torrados e a secura ao final; permite interpretações dos cervejeiros.   
Ingredientes: A secura é proveniente da utilização da cevada torrada não-maltada em combinação com maltepale, amargor de moderado a alto e boa atenuação. Cevada em flocos não maltada também pode ser utilizada para adicionar cremosidade. Uma pequena porcentagem (talvez 3%) de cerveja acidificada (sour) é adicionada algumas vezes para aumentar a complexidade (geralmente apenas pela Guinness). A água possui geralmente dureza de carbonatos moderada, entretanto, altos níveis não levarão ao clássico final seco. 
Estatísticas Vitais:               OG:  1.036 – 1.050IBUs: 30 – 45                FG:  1.007 – 1.011SRM: 25 – 40                        ABV:   4 – 5% 
Exemplos comerciais: Guinness Draught Stout (também em lata), Murphy’s Stout, Beamish Stout, O’Hara’s Celtic Stout, Russian River O.V.L. Stout, Three Floyd’s Black Sun Stout, Dorothy goodbody’s Wholesome Stout, Orkney Dragonhead Stout, Old Dominion Stout, Goose Island Dublin Stout, Brooklyn Dry Stout.

Sweet Stout 

Aroma: O aroma de grãos torrados é suave, às vezes com notas de café e/ou chocolate. A impressão de uma doçura cremosa está sempre presente. Aromas frutados vão de baixo a moderadamente altos. Diacetil de baixo a nenhum. Aroma de lúpulos de baixo a nenhum. 
Aparência: Coloração marrom bastante escuro a preto. Pode ser opaca (caso contrário, deve ser translúcida). Espuma cremosa de cor acobreada a marrom. 
Sabor: Grãos e maltes torrados dominam o sabor como nas dry stouts e fornecem sabores de café e/ou chocolate. Amargor de lúpulos é moderado (menor do que nas dry stouts). Doçura de média a alta (geralmente proveniente da adição de lactose) fornece um contraponto em relação ao caráter torrado e ao amargor de lúpulo, e dura até o final. Ésteres frutados de baixo a moderados. Diacetil de baixo a nenhum. O equilíbrio entre grãos/maltes escuros e doçura pode variar de pouco doce a moderadamente seco e um pouco torrado. 
Mouthfeel (sensação na boca): Corpo de médio a altamente encorpado e cremoso. Carbonatação de baixa a moderada. Doçura residual alta devido a açúcares não fermentáveis aumenta a sensação de sabor mais cheio na boca.  
Impressão Geral: Uma Ale bastante escura, doce, encorpada, levemente torrada. Em geral tem gosto de café expresso adoçado. 
História: Uma Stout de estilo inglês. Historicamente conhecidas como “Milk” ou “Cream” Stouts, essa nomenclatura não é mais permitida legalmente na Inglaterra (mas é aceitável em qualquer outro local). O nome “milk” é derivado da adição de lactose, ou açúcar do leite, como agente adoçante. 
Comentários: As OG’s são menores na Inglaterra, maiores nos produtos exportados e nos Estados Unidos. Variações existem no nível de doçura residual, intensidade do caráter torrado e o equilíbrio entre os dois são as variáveis mais sujeitas à interpretação. 
Ingredientes: A doçura na maioria das Sweet Stouts vem de um nível mais baixo de amargor do que as Dry Stouts e uma maior porcentagem de dextrinas não fermentáveis. Lactose, um açúcar não fermentável, é freqüentemente adicionado para conferir doçura residual adicional. Base de malte pale, podendo utilizar cevada torrada, Black malt, malte chocolate, malte cristal e adjuntos como milho ou melaço. Água com alto teor de carbonatos é comum. 
Estatísticas Vitais:               OG:  1.044 – 1.060IBUs: 20 – 40                FG:  1.012 – 1.024SRM: 30 – 40                        ABV:   4 – 6% 
Exemplos comerciais: Mackeson’s XXX Stout, Watney’s Cream Stout, Farson’s Lacto Stout, St. Peter’s Cream Stout, Marston’s Oyster Stout, Sheaf Stout, Hitachino Nest Sweet Stout (Lacto), Samuel Adams Cream Stout, Left Hand Milk Stout, Widmer Snowplow Milk Stout.

Stout


 Sweet Stout 

Aroma: O aroma de grãos torrados é suave, às vezes com notas de café e/ou chocolate. A impressão de uma doçura cremosa está sempre presente. Aromas frutados vão de baixo a moderadamente altos. Diacetil de baixo a nenhum. Aroma de lúpulos de baixo a nenhum. 
Aparência: Coloração marrom bastante escuro a preto. Pode ser opaca (caso contrário, deve ser translúcida). Espuma cremosa de cor acobreada a marrom. 
Sabor: Grãos e maltes torrados dominam o sabor como nas dry stouts e fornecem sabores de café e/ou chocolate. Amargor de lúpulos é moderado (menor do que nas dry stouts). Doçura de média a alta (geralmente proveniente da adição de lactose) fornece um contraponto em relação ao caráter torrado e ao amargor de lúpulo, e dura até o final. Ésteres frutados de baixo a moderados. Diacetil de baixo a nenhum. O equilíbrio entre grãos/maltes escuros e doçura pode variar de pouco doce a moderadamente seco e um pouco torrado. 
Mouthfeel (sensação na boca): Corpo de médio a altamente encorpado e cremoso. Carbonatação de baixa a moderada. Doçura residual alta devido a açúcares não fermentáveis aumenta a sensação de sabor mais cheio na boca.  
Impressão Geral: Uma Ale bastante escura, doce, encorpada, levemente torrada. Em geral tem gosto de café expresso adoçado. 
História: Uma Stout de estilo inglês. Historicamente conhecidas como “Milk” ou “Cream” Stouts, essa nomenclatura não é mais permitida legalmente na Inglaterra (mas é aceitável em qualquer outro local). O nome “milk” é derivado da adição de lactose, ou açúcar do leite, como agente adoçante. 
Comentários: As OG’s são menores na Inglaterra, maiores nos produtos exportados e nos Estados Unidos. Variações existem no nível de doçura residual, intensidade do caráter torrado e o equilíbrio entre os dois são as variáveis mais sujeitas à interpretação. 
Ingredientes: A doçura na maioria das Sweet Stouts vem de um nível mais baixo de amargor do que as Dry Stouts e uma maior porcentagem de dextrinas não fermentáveis. Lactose, um açúcar não fermentável, é freqüentemente adicionado para conferir doçura residual adicional. Base de malte pale, podendo utilizar cevada torrada, Black malt, malte chocolate, malte cristal e adjuntos como milho ou melaço. Água com alto teor de carbonatos é comum. 
Estatísticas Vitais:               OG:  1.044 – 1.060IBUs: 20 – 40                FG:  1.012 – 1.024SRM: 30 – 40                        ABV:   4 – 6% 
Exemplos comerciais: Mackeson’s XXX Stout, Watney’s Cream Stout, Farson’s Lacto Stout, St. Peter’s Cream Stout, Marston’s Oyster Stout, Sheaf Stout, Hitachino Nest Sweet Stout (Lacto), Samuel Adams Cream Stout, Left Hand Milk Stout, Widmer Snowplow Milk Stout.